Google+ Followers

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Uma breve história de sorte no azar!

Na última famigerada sexta-feira 13, bateram no meu carro.

Numa luta de um Amarok versus um Honda Fit, o resultado é previsível.
O Fit perde.
O meu pelo menos perdeu a mala e o parabrisas.
Eu poderia então chegar a conclusão, que uma sexta-feira 13 é um dia que realmente dá azar, se....
se a história não tivesse uma continuação.

O motorista do Amarok, um rapaz de apenas 21 anos, saiu do carro dele logo perguntando se alguém tinha se machucado.(O que não foi o caso...) Depois disso, tanto ele como eu, fomos olhar o estrago.
Nenhum de nós tinha seguro e eu fiquei preocupada, se ele assumiria a culpa (que era de fato dele!)ou se teríamos que esperar horas pela perícia.
Ele admitiu a culpa , me deu todos os dados dele, insistiu que eu verificasse que o numero de telefone que me deu, fosse realmente dele. Eu fui fazer orçamentos em duas oficinas e ele passou o final de semana fazendo pesquisas em outras e me levou para uma da confiança dele que prometeu entregar o carro no prazo mais rápido possível.
Me ligava pra dar notícias e marcar a hora para ir junto comigo. Pagou o serviço sem resmungar.

No nosso mundo atual, isso se chama : sorte!


Por que é que conto tudo isso?

Porque sempre vale a pena ressaltar o bom, o honesto, o certo e o "fairplay" no mundo.


quarta-feira, 11 de junho de 2014

"Carpe Diem"....mas nem tanto!





Se alguém fizesse um questionario sobre os maiores problemas no Brasil, a maioria das pessoas provavelmente apontaria os mais óbvios :

Corrupção
Impostos, taxas e burocracia
Péssimos políticos
Miséria

Pra mim, a causa primária de todas as nossas mazelas, é o "imediatismo" da nossa sociedade.
Olhando bem, tudo que nos cerca parece ser regido por ele....

Na política, por exemplo, podemos perceber que as pessoas querem conseguir todos os benefícios finais de uma sociedade saudável e equilibrada, normalmente construída num processo lento, contínuo e progressivo, da maneira mais fácil e com o mínimo de esforço pessoal, o que logicamente requer soluções quase milagrosas.
Por isso, qualquer candidato que for suficientemente esperto para fazer as promessas certas no palanque, precisa provar mais nenhuma competência real para se eleger com sucesso.
Ao descobrir que as promessas eram bonitas, porém vazias, alguns revoltados vão a rua se "manifestar", apedrejando um ou mais ônibus e algumas lojas, mas logo em seguida elegem com uma Fé quase religiosa, o mesmo tipo de político de novo!

Por causa da nossa sociedade imediatista, são gastos milhões e bilhões em muitas obras desnecessárias e mesmo as obras de grande necessidade só funcionam por um curto período, porque foram feitos com  pressa, ineficiência e somente para impressionar outros, satisfazendo alguns egos inflados, que dessa forma podem colocar logo uma placa inaugural com seu nome (a placa tendo uma durabilidade maior do que a obra na qual foi pendurada!!!) ....e depois tudo é deixado para a depredação por parte dos "usuários".
A palavra "manutenção" , não faz parte do vocabulário de um "imediatista"!

As escolas e universidades preparam para provas finais, mas não para a vida. 
Temos amplos incentivos para empréstimos em vez de melhores salários e planos de carreira estruturados.
Policiais atiram primeiro para interrogar depois, pessoas são linchadas por causa de boatos, o conhecimento é tirado do google em vez dos livros, pessoas acreditam que "parir" é sinônimo de "educar" e a política apenas oferece operações "Tapa buraco" em todos os seus setores...tanto na infra estrutura, quanto no combate da miséria, onde tudo é feito apenas para o momento, visando no máximo o futuro mais próximo : as eleições.
Ate mesmo o nosso trânsito caótico é um retrato do nosso imediatismo cotidiano!

A cultura do "quero tudo e quero agora!" precisa mudar, porque estamos sacrificando valores do futuro em nome de um presente volátil.... precisamos nos lembrar de um bom e velho ditado, que resume uma verdade incômoda :








sexta-feira, 9 de maio de 2014

Música ruim ?!




Hoje de manhã tive um debate interessante sobre estilos musicais com a minha filha adolescente.
Na paixão própria da idade dela, ela dizia que o "Funk" era muito ruim. O ritmo era horrível e as letras simplesmente deploráveis.

Não posso discordar tanto da opinião dela, porque também acho isso...mas mesmo assim, não posso condenar todo um estilo musical, só por conter letras de péssima qualidade e ritmos pobres,  porque isso simplesmente não é um privilégio só do "Funk" ( diga se de passagem : Funk brasileiro!).

Aliás, em toda história humana, quando tem alguém cantando, tem também alguém não gostando e muitas vezes bastam passar alguns anos e a música antes odiada, vira "clássica" e celebrada.
Os Beatles por exemplo, não foram uma unanimidade popular na época.
O corte de cabelo deles atiçava a ira de muita gente. As letras deles muitas vezes foram consideradas "pobres", que não passavam do "Yeah,yeah"...

A maior crítica contra o Funk atualmente é contra suas letras, que retratam a bandidagem, armas, drogas e sexo.
Mas não dá para afirmar que o Pagode, o Forró e Sertanejo universitário ou o Rap tem letras melhores....
Musicas americanas de Rap, Hiphop e mesmo simples Pop, estão cheias de sexo e violência, no entanto todos esses estilos, nacionais e internacionais são tocadas em todas as rádios. As cantoras Axé se apresentam com pouca roupa, já a Miley Cirus canta nua, Lady Gaga e Rhianna vivem vestidas com tão pouco que pode ser considerado nuas e a Madonna no auge da carreira dela se apresentava com dois cones nos seios e certa vez entrou num evento segurando dois homens engatinhando com uma coleira.
Tudo isso achamos aceitável, mas o Funk repudiamos.

Há muitas pessoas que reclamam da influência da música sobre nossos jovens, mas na verdade o contrário é verdadeiro....as pessoas influenciam a música. Nas favelas a vida é violenta, há muitas drogas e muitas armas, por isso as letras do Funk falam basicamente disso.Todos os estilos musicais retratam uma certa realidade, e nem todas as realidades são agradáveis ou mesmo aceitáveis por todos os grupos de uma população.

Embora os intelectuais de plantão digam que a população está revoltada e só pensa em manifestação, o aumento de preços ou salários mais dignos, basta ouvir o "Lepo-Lepo" que voltamos ao chão da realidade. A população pensa mesmo em : SEXO !!!

É isso está longe de ser um fenômeno da "vida moderna". Sexo nas músicas é uma ideia antiga!
Conta se por exemplo uma história que teria acontecido em plena idade média, no ano 1226.
Dois cantores conhecidos daquela época, Walther e Tannhaeuser, tiveram uma espécie de duelo musical na corte do rei Ludwig da Turingia, um deles apresentou uma bela música sacra e o outro cantou algo que hoje chamaríamos de "popular", com o cantor descrevendo minuciosamente o corpo feminino e as delícias de tocá-lo.
Adivinham qual das duas peças caiu no gosto da corte?
Não foi o da música sacra!
(http://www.minnesang.com/tv-kritik-tannhaeuser.html)




A música, a literatura, aliás toda forma de arte, são formas de comunicação que refletem com muita precisão as preocupações, os medos e as ânsias de uma sociedade.
Um nível cultural alto é luxo. Só uma sociedade saudável e equilibrada pode dispensar tempo e energia na arte.
Já na hora do desequilíbrio social, o que passa a valer é o mais básico, coisas que distraem e divertem de forma pouco desgastante, que não requerem grandes reflexões ou alta qualidade.

Para se ter um ideia mais exata sobre o que está acontecendo no Brasil, não é preciso assistir o jornal nacional...basta ouvir "Funk"


segunda-feira, 28 de abril de 2014

Vou ser uma velha braba!




Vou ser uma velha braba!!!

Tenho percebido isso, apesar de estar muito longe ainda de poder ser considerada uma velha de fato, mas o sinais já estão por toda parte no meu cotidiano.
Digo isso porque tenho me lembrado muito nos últimos tempos do meu saudoso pai, um "velho brabo" com orgulho!
Ilustrando melhor o título dele, vou contar um acontecimento que na ocasião me deixou toda sem jeito e morrendo de vergonha.

Certa vez, ao encontrar um grupo de cinco donas de casa paradas no meio dos corredores de um supermercado, batendo um interminável papo e ao mesmo tempo "entupindo" os caminhos com seus carrinhos de compras, ele ficou durante um tempinho esperando, pra ver se alguma delas perceberia que estavam atrapalhando. Quando viu que elas nem sequer mexeram, ele deu um empurrão forte com o carrinho dele contra o aglomerado dos carrinhos delas. Foi um barulho estrondoso e elas tomaram o maior susto! Aí sim, ele falou com um sorriso largo e ao mesmo tempo irônico, que... "gente desocupada e com o dia ganho, ao menos deveria deixar espaço para aqueles que estão tendo o que fazer!"
Num passe de mágica, elas e seus carrinhos sumiram....

Hoje não apenas entendo ele, como sou capaz de fazer exatamente o mesmo!

Quanto mais velha estou ficando, menos paciência tenho com as atitudes inapropriadas alheias.
Pessoas egoístas me irritam e me irritam a cada dia que passa, mais e mais....

Por isso, desde já  aviso aos meus amigos e conhecidos, que a coisa vai ficar feia, porque sou da opinião que ser "fofa e amiguinha" é somente para aqueles que merecem e não para toda a humanidade.

Querer assumir o fato que a gente um dia vai se transformar numa "velha braba" não é nada fácil.
Fiquei por muito tempo relutante. Queria eu no futuro, ser uma velhinha dócil e mansa....mas o mundo conspira contra esse meu desejo! Meu crescente mal humor com o péssimo comportamento dos outros, tende a aumentar automaticamente, independentemente se uso a oportunidade de descarregar o meu descontentamento pra cima de alguém merecedor dessa minha atitude ou se fico que nem aqueles três macacos famosos do "não falei, não vi, não escutei "...



O que é que tenho a perder se eu abraço a "velha braba" que vive dentro de mim?
O que acontece se eu a soltar da coleira da minha educação?
Nada demais!
Os velhos e velhas brabos e ranzinzes do mundo são uma necessidade.
Eles conseguem limitar e frear o comportamento dos outros, principalmente dos mais jovens, cheios de fogo e vaidade....que acreditam que a juventude é um passe livre para ser mal educado e egoísta.
Se todos fossem apenas "fofos e mansos" com o desrespeito alheio, a caixa da Pandora abriria e o mundo viraria um caos.
Uma sociedade é uma engrenagem delicada. O que tiver fora do lugar, atrapalha tudo e para isso não acontecer, precisamos de pessoas assumidamente "brabas" e firmes, que põem as coisas no seu devido lugar.

Quando eu era menina, nenhuma bronca dos meus pais funcionava tão arrebatadora bem quanto aquela do nosso vizinho idoso e ( ao meu ver na época) chato e brabo, que não pensou uma só vez na minha "alma pura e infantil" quando me pegou apertando a campainha dele pra sair correndo em seguida....coisa de criança!
Ele me deu um sermão como nunca antes  tive que aguentar e do qual nunca mais me esqueci.
Quando vejo o comportamento de algumas crianças / adolescentes nas ruas e nos Shoppings, me dá saudade dele e da sua atitude.
Numa sociedade saudável,  ninguém deve pensar "isso não é da minha conta"...problemas sempre sobram para todos e alguém precisa ter a firmeza de mostrar que as coisas não podem ser assim!
Ninguém é obrigado a ficar calado e aguentar.
O velho ditado brasileiro do "Os incomodados que se mudam" é o ditado mais estúpido de todos os tempos, em todo e qualquer sentido.
Não sei qual imbecil o "inventou", mas acho que ele deveria receber um cascudo todas as vezes que algum cidadão mal educado o usa!!

Tenho dito!

sexta-feira, 14 de março de 2014

Ler ? Pra quê ??




Nos dias atuais, um dos desafios na educação de nossos filhos, reside em fazer com que os livros voltem a ocupar um lugar importante em suas vidas. Isso tem se revelado uma árdua tarefa nesses complexos tempos modernos, nos quais a leitura lenta e prazerosa concorre com a velocidade das informações trazidas pelas mais diversas mídias.

Para muita gente da geração atual ler um livro em vez de assistir a um filme pode ser tranquilamente comparado, em termos de ritmo e velocidade, a cavalgar em vez de conduzir  um carro! Ler um livro ou a assistir a um filme? Cavalgar ou conduzir um veículo veloz? A  maioria decerto prefere, quase sempre, a alternativa mais rápida e vertiginosa. Só que velocidade não é tudo que precisamos na vida! Fico com o Imperador Otávio Augusto: "Festina lente!", isto é, "devagar pode ser rápido!"

Sem dúvida somos seres emocionais, e é certo que necessitamos de sensações físicas e de estímulos mentais para entender o mundo que nos cerca. Nossa mente é ativada através dos nossos sentidos: são eles que nos fazem compreender a realidade que nos envolve.
Claro que no dorso de um cavalo não é possível cruzar-se um oceano, mas cavalgar aguça positivamente os sentidos, desperta novas emoções, tanto isso é assim que existem terapias baseadas nessa atividade...

http://www.saudeintegral.com/artigos/equoterapia.html

O mesmo fenômeno terapêutico acontece com a leitura. Ela estimula a mente de forma muito especial!
Um bom livro transporta-nos do nosso universo restrito a lugares desconhecidos:  do limitado e cotidiano, ao insólito e infinito....

A leitura atiça, provoca, treina o cérebro, explica, acalma, clareia a mente, retira amarras e diverte.
Lendo aprende-se a interpretar, argumentar, discernir, fundamentar, organizar, compreender, imaginar, pensar, opinar e expressar opiniões próprias. A leitura liberta...

Precisamos ler mais!


Dito isso, aqui estão as minhas 8 simples dicas para estimular o gosto pela leitura :




1. Deixe-se enfeitiçar por desenhos caprichados e por histórias bem boladas na hora de escolher os livros que você quer ler para seus filhos. Ler é compartilhar e tem que ser tão prazeroso para você quanto para eles.

2. Seres humanos adoram histórias! Leiam contos pros seus filhos.... inventem histórias malucas, engraçadas e até "sinistras" para eles; incentivem e deixem as crianças criar e contar suas próprias histórias.

3. Tentem criar um hábito, uma tradição familiar, de ler junto com os filhos, de preferência sempre no mesmo horário, como por exemplo na hora de ir pra cama. Ler é uma carícia verbal!

4. É necessário banir a tv, computadores, tablets e smartphones do quarto das crianças. Eles não precisam dessa parafernália para ter uma infância feliz!

5. Quando um novo filme for lançado no cinema, que tenha por inspiração um livro, não permitam que seus filhos assistam ao filme antes de terem lido o livro. Expliquem o porquê....

6. Mantenham seus filhos longe das mídias o maior tempo possível. Smartphones e tablets só deveriam ser usados com alguma frequência a partir dos doze anos de idade. Antes de poder usar as informações difusas transmitidas por essas mídias de forma adequada, o cérebro necessita criar uma base emocional sólida, construída por experiências tácteis e interação humana saudável.

7. Toda nossa sociedade depende do diálogo e é nas famílias que tem início os processos de aprendizagem, interação e comunicação quer verbal, quer corporal. É preciso beijar, abraçar, fazer cócegas e conversar muito... Curiosamente muitos de nós precisam reaprender tudo isso.

8. Transforme os livros lidos por seus filhos tanto numa fonte quanto numa ponte de comunicação... Indague pelas personagens e aventuras preferidas, também procure brincar com as ideias, buscando recordar de livros com temas semelhantes que você tenha lido.... É bom ter assuntos em comum.





Interessante também ler o artigo seguinte sobre o uso da tecnologia na idade precoce...

http://antesqueelescrescam.com/2014/03/11/10-razoes-para-se-proibir-tecnologia-para-criancas/

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Conhece-te a ti mesmo ....

......e conhecerás o universo e os deuses.
(Sócrates)






Andei lendo uns posts de pessoas protetoras de animais na minha página do facebook...
Eles estavam incrédulos com um caso de abandono de um cãozinho e confesso que também fiquei triste com a história....claro que todos concordavam e malhavam esse ser humano indigno que havia maltratado e abandonado o bichinho, que no caso se tratava de um monstro e a maioria ficou, além de indignado, sem entender o que se passa na cabeça de um "desalmado" daqueles...

Eu acho, que tudo na vida vale uma reflexão mais profunda.
Entender o outro, significa mais um pedaço do mundo desvendado.
E entender o outro, também ajuda na busca do conhecimento de si próprio.

Só dá pra exercitar a tolerância ao ser confrontado com as diferenças....certo?
Assim aconteceu, que um dia desses, uma colega me chocou, ao afirmar que não suportava cães ou gatos...que causavam arrepios nela quando se aproximavam!
"Como pode?" - questionei....
"São lindos, são maravilhosos, são fofos...eu adoro!"- como é que alguém pode não gostar??
Mas pensando melhor,  como eu poderia exigir de alguém um gosto parecido com o meu???

Eu também não gosto de todos os tipos de animais na minha convivência....!
Não tenho sentimentos carinhosos por vacas, porcos e nem sequer por cavalos ou pôneis (nunca quis ter um!)...
Já um amigo meu adora tarantulas e tem várias na sua casa....outra amiga minha gosta de serpentes e cria uma...também conheço gente que adora peixes e outros que tem gaiolas cheias de pássaros ou ratazanas brancas!

Digo com toda sinceridade, não dá pra mim!!

Assim como tenho medo ou sinto indiferença em relação à alguns animais, outras pessoas também sentem, só que em relação àqueles que eu gosto....:
eis a única diferença entre nós!

E como me conheço muito bem, não posso afirmar que, se por um azar terrível eu encontrasse uma das tarantulas do meu amigo solta na sua sala, eu não sairia aos gritos tentando acabar com a vida dela à qualquer custo...( mesmo teoricamente sabendo que ela não me atacará e nem venenosa é!) .... e ao fazer isso, eu não me transformaria num monstro, nos olhos dele??

Eu não consigo aceitar alguém que amarra um cão num trem...mas o que será que me diferencia dele, se eu mataria (por exemplo!) a tarantula do meu amigo?

Porque obviamente, uma pessoa que mata um gato ou um cachorro ou mesmo uma vaca, um porco ou um bode, não tem qualquer tipo de sentimento amistoso por aquele bicho....provavelmente sente indiferença ou talvez ódio e nojo!
Assim como eu, quando vejo uma tarantula!

E agora?

Essa minha reflexão me levou de certa forma, ao meu lado sombrio....que aliás, está dentro de cada um de nós....se manifestando de formas bem diferentes.
Existe uma linha muito tênue entre nossa natureza bruta e a civilizada.
A qualquer momento podemos mudar de lado. 
Basta um desequilíbrio mental, basta uma ameaça ou provocação, basta um instinto ... e viramos aquilo que condenamos muito rapidamente nos outros.
Não fico mais incrédula com certas ações...embora entender não significa aceitar.
A vida fica mais fácil  quando reconhecemos, que as expectativas em relação aos outros não devem ser altas e que nós mesmos estamos sempre na corda bamba....

Não se deve julgar o monstro dentro do outro, sem revisar primeiro nosso próprio.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Meu Natal "ateu".....




Há algum tempo atrás, num breve debate numa comunidade do Orkut ( sim....eu ainda uso!), tive que defender minha opinião como pessoa não religiosa, sobre a festa do Natal, para uma debatedora religiosa.
Longas escritas cansam o leitor e muitas vezes você se encontra incapaz de formular suas ideias de um modo tão claro, que o outro possa entender e ao menos aceitar.
Ela argumentou, que achava ridículo que uma pessoa cética/ateu seguisse festas tradicionalmente e exclusivamente cristãs como o Natal.
Um ateu festejando o Natal, o nascimento do "nosso Senhor", seria no caso completamente contraditório...como se a contradição fosse um traço específico dos ateus!
Não posso deixar de achar isso engraçado, porque certos cristãos fundamentalistas acreditam que eles também não devem festejar o Natal, por justamente ser uma festa de origem pagã  (e eles tem toda razão, nesse caso!), por serem contra o uso de simbolos pagãos e mundanos (a árvore, Papai Noel e o consumismo) e por achar que Jesus dificilmente tenha nascido mesmo nessa data!
Para eles, o Natal deveria no máximo ser um grande culto e muita, muita reza!

Quer dizer então que os cristãos "verdadeiros" não deveriam festejar por ser uma festa com base pagã e os "pagãos" não deveriam festejar por ser uma festa cristã.....
Vá tentar entender a humanidade!

Eu sou da opinião que cada um deveria fazer como bem entender e que não há contradições em nenhuma das formas de se festejar ou não, o Natal.

Todos nós, religiosos ou não religiosos, somos seres humanos e não pedras!
Somos a soma das nossas experiências pessoais e sociais.
Ideias são mutáveis.
Opiniões são rebatíveis.
Estamos em constante mudança e por isso muitos se agarram firmes nas tradições, que nos acompanham muitas vezes desde a nossa mais tenra infância.




Volto portanto no assunto do Natal....

Eu gosto do Natal porque desperta sensações e lembranças boas em mim.
Gosto dessa festa, das suas músicas religiosas e alegres, da união familiar, dos presentes, da alegria, dos cheiros de cravo, canela, anis estrelado e biscoitos caseiros.....
Não tenho presépio, mas enfeito a nossa árvore de Natal com sininhos, estrelas e sim...anjinhos!
Não vou a missa ou culto, mas escuto o "Ave Maria" e outra músicas sacras.
Comemoro a paz momentânea e o amor.
Comemoro a amizade e a alegria....

Eu sou mesma contraditória, mas isso faz parte da minha humanidade e não da minha opção religiosa.
Os símbolos não me importam.
Eles são interpretáveis, podem ter sentidos diferentes.
Para os religiosos, podem ser sagrados, para quem não for podem ter outro sentido mais banal.

Afinal das contas, se eu coloco um anão de terracotta no meu jardim, isso não significa que passei a acreditar em duendes ou fadas. É apenas decoração!



Gosto de música sacra porque ela é calmante e bonita.
Decoro uma árvore de Natal porque o pinheiro para mim significa que a natureza tem suas proprias forças, que a vida prevalece.
Eu não acredito num ser onipresente, onisciente e onipoderoso, mas acredito na interação energética entre todos os seres vivos e isso não é uma contradição. São coisas diferentes!
Não preciso justificar o que penso, não preciso de permissão para fazer as coisas do meu jeito.

Feliz Natal para todos que gostam!  E para aqueles que gostam de boa música :